Parada LGBT de Lauro de Freitas
Parada LGBT de Lauro de Freitas (Foto: Divulgação)

A prefeita de Lauro de Freitas, Região Metropolitana de Salvador (RMS), Moema Gramacho (PT-BA) sugeriu unificar as Paradas LGBTs do município. Assim, os desfiles do bairro de Vida Nova, Itinga e Portão seriam unificados em apenas um. A proposta prevê um único evento, que aconteceria no centro da cidade.

Contudo, as lideranças municipais afirmam haver especialidades que precisam ser consideradas. Além de defender não ser prerrogativa do governo pautar as ações dos movimentos sociais. As informações são do site Dois Terços.

De acordo com Francejane Santos, representante do Coletivo LGBT de Lauro de Freitas (CLBGT) – organização que coordena o movimento em Itinga, a realização de uma única parada no centro -, a proposta vai na contramão das ações adotadas, que são de agir onde a violência acontece.


Segundo Roberto Souza, diretor do Núcleo de Políticas Afirmativas LGBTs da Comunidade de Portão (NUPAF), outro grande bairro da cidade, a parada é culminância de diversos atos locais, no decorrer de um determinado período, sendo assim um meio da comunidade local expressar suas lutas, conquistas e direitos.

O coordenador de políticas LGBTs do Estado da Bahia, Vinicius Alves, afirma entender a necessidade de diferentes organizações LGBTs em Lauro de Freitas, segundo ele a pluralidade é uma forma de se expressar a luta por meio de um evento festivo, no qual  são as paradas LGBTs.

Já Marcelo Cerqueira, presidente do Grupo  Gay da Bahia (GGB), pensa diferente dos ativistas municipais, defendendo a unificação das paradas, como  forma de fortalecimento do movimento. Segundo Marcelo, a fragmentação divide e enfraquece o movimento.

A Prefeitura de Lauro de Freitas através do gabinete da prefeitura, encaminhou a Secretária de Cultura, um documento sugerindo a unificação dos eventos, a fim de diminuir custos, otimizar resultados, e uma melhor utilização do aporte financeiro dado pela prefeitura ao evento.