Parada do Orgulho LGBT de Londres
Parada do Orgulho LGBT de Londres (Foto: Reprodução/Instagram)

Milhares de pessoas acompanharam mais uma edição da London Pride Parade, a Parada do Orgulho LGBT de Londres, que neste ano comemora o 50º aniversário que a homossexualidade deixou de ser considerado crime na Inglaterra e também no País de Gales.

O desfile teve seu início com a participação dos serviços de socorro londrino (bombeiros, policiais e paramédicos), que foram seguidos pelos 26 mil participantes que tomaram as ruas da capital inglesa, seguidos pelos carros de som.

A presença dos agentes foi uma forma de homenagem pelo “seu compromisso e seu valor nos trágicos acontecimentos recentes”. Em relação aos três atentados, além de um incêndio sofridos pela capital britânica, que deixou 80 vítimas fatais.


A primeira ministra Teresa May, mostrou o seu apoio ao evento. “Devemos seguir defendendo uma verdadeira igualdade para todos e o respeito a cada um”, disse em comunicado. “O Reino Unido tem a responsabilidade de promover os direitos das pessoas LGBT em nível internacional”, declarou ela direto de Hamburgo, onde está para a cúpula do G-20.

LEIA MAIS:

Marcas se pronunciam após antigos tweets homofóbicos de Bruno Gagliasso virem à tona

Em franca ascensão, Aretuza Lovi lembra de homofobia que sofreu do pai: “agressões físicas e verbais”

A Parada também foi marcada pelo protesto de um grupo de ativistas lésbicas, contra mulheres transexuais, na qual as manifestantes se deitaram no chão, além de exibir cartazes, com m dizeres como “O transativismo apaga as lésbicas”.

Um panfleto também foi distribuído na qual afirmam que são coagidas pelas transgêneras “a fazer sexo com homens. Condenamos firmemente esta forma viciosa de anti-lesbianidade disfarçada de progresso”, diz o texto.