Parada LGBT de Madureira
Parada LGBT de Madureira [Foto: Reprodução/TV Globo]

A Barra da Tijuca, tradicional bairro da zona oeste do Rio de Janeiro, deve ganhar em breve uma Parada LGBT. O Grupo MGTT (Movimento de Gays, Travestis e Transformistas), que organiza a Parada LGBT de Madureira há 18 anos, enviou um projeto à Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS Rio), da prefeitura, pleiteando a realização do evento.

Caso seja aprovado, o desfile acontecerá entre os postos 5 e 8 da Avenida Lúcio Costa, no dia 23 de setembro. A ideia dos organizadores é levar a mesma fórmula que há anos dá certo na Zona Norte: trios elétricos, música, reivindicação dos direitos dos LGBTs e ações sociais, de acordo com o jornal O Globo.

LEIA MAIS: Roteirista de Pose, Janet Mock se torna 1ª trans negra a escrever uma série na TV americana


A manifestação depende agora do aval do Carioca Digital (portal da prefeitura onde se deve solicitar licenças para eventos) e da liberação da documentação necessária junto ao Município. Autorizações do Corpo de Bombeiros e do 31º Batalhão (Recreio) também precisam ser obtidas.

A intenção é realizar uma parada nos mesmos moldes da de Copacabana, considerada a maior da cidade. Os padrinhos do evento devem ser David Brazil e Viviane Araújo, os mesmos da Parada de Madureira, que aconteceu no fim de semana retrasado. Uma das organizadoras, Loren Alexander espera que o visual da orla contribua para chamar o público.

LEIA MAIS: Após criticar sobrinho por usar vestido, Lewis Hamilton posa de saia para revista

“Acredito que o evento será bem aceito pelos moradores, pessoas inteligentes e que não são preconceituosas. Vamos solicitar que venham curtir a parada e a liberdade de expressão. As pessoas, inclusive os turistas LGBT, vão se sentir mais à vontade na praia, perto da natureza”, analisou.

A Parada LGBT da Barra agora, arrecada verba para acontecer. Em busca de patrocinadores e também, pleitar recursos da Lei Rouanet. “O custo de um evento deste porte ultrapassa os R$ 300 mil. Por conta da crise, a prefeitura oferece uma ajuda simbólica. Falta dinheiro, e, por isso, temos que sair em busca de patrocinadores”, afirmou Rogéria Meneghel, também responsável pela organização da festa.