Gaby Amarantos discursa sobre a importância da representatividade LBGT nas mídias “Precisamos falar disso”


Por Cadu Safner

Uma das artistas que marcou presença na 22ª Parada LGBT de São Paulo e levantou uma multidão de pessoas com suas músicas é Gaby Amarantos. A estrela do pop/tecnobrega acabou de lançar o seu mais novo single, Sou Mais Eu, e reuniu um time forte e representativo, com negros, índios e homossexuais. A equipe do Observatório G esteve na Parada e conversou com a cantora que falou sobre assuntos pertinentes ao maior evento LGBT do mundo e, é claro, sobre o seu novo trabalho.

Veja também: Gaby Amarantos detona Silvio Santos e divide opiniões: “Vocês estão mal de ícone”


Quando perguntada sobre a repercussão da música e vídeo clipe Sou Mais Eu ela disse: “Estou muito feliz, a música é sucesso e as pessoas se enxergando, se vendo, vendo este brasil, o brasil que a gente precisava mostrar, me deixa muito feliz”, explicou a estrela.

Leia Mais: Nova York passa a reconhecer terceiro gênero em registro oficial

Com discurso político sobre o atual momento do país, Gaby reforça a ideia da representatividade, “No meu vídeo clipe falamos de representatividade, a gente precisa falar disso, o brasil é preto, é índio, é trans, é gay, é mulher e mulher preta, era disso que eu queria falar”, afirmou.

Sobre a ideia de convidar Gleici Damasceno, a vencedora do BBB18 para participar do clipe ela responde: “Foi minha a ideia, ela é maravilhosa, fiquei muito feliz com todo mundo que participou”. Quando o assunto é a importância de uma Parada como esta, Gaby faz o seu discurso: “É uma festa política, é uma festa pra gente refletir o quanto o brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo. Eu sou sociedade e estou aqui pra dizer que eu apoio”.

DEIXE UMA RESPOSTA