Parada LGBT de São Paulo (Foto: Divulgação)
Parada LGBT de São Paulo (Foto: Divulgação)

As cantoras Preta Gil, Mulher Pepita, Lia Clark e April Carrion se juntam a Pabllo Vittar como atrações para a 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo, que acontece neste domingo 03 de junho na avenida Paulista. O anúncio foi feito durante a coletiva de imprensa realizada pela APOGLBT, responsável pelo evento nesta segunda-feira (28).

As apresentações acontecerão nos trios dedicados a Uber, uma das empresas que patrocinam o evento. A apresentadora Fernanda Lima será mais uma vez condecorada como madrinha do desfile pela diversidade e a drag queen Tchaka faz as honras como mestre de cerimônias da manifestação.

Este ano, a Parada também contará pela primeira vez com o apoio do Burguer King, que entra no evento como co-patrocínio junto com a Skol e a Uber, que repetiram a ação. Pelo segundo ano consecutivo, o Doritos Rainbow, que desta vez convida o público a ampliar os seus pontos de vista através de um vídeo estrelado por influencers.


Como acontece todos os anos, a festa terá início na frente do Museu de Arte de São Paulo (Masp) em direção à rua da Consolação, contando com ao menos 18 carros alegóricos, podendo este número subir para 21.

LEIA MAIS:

PM que virou modelo após foto com Madonna fala sobre assédio: “Tanto de mulheres como de homens”

C&A lança coleção especial para celebrar Orgulho LGBT

A 22ª edição do evento terá como tema ‘Eleições’, sob o seguinte slogan: ‘Poder pra LGBTI+, Nosso Voto, Nossa Voz’. A ideia, então, é mostrar, artisticamente, a necessidade do cidadão ser respeitado por meio do voto, a importância da eleição consciente e a expressão artística do orgulho de ser LGBT.

“Somos milhões de filhos e filhas, pais, parentes e amigos. Ocupamos todos os cantos do Brasil e contribuímos para todas as áreas do conhecimento. Trabalhamos em todas as indústrias e segmentos econômicos como assalariados e autônomos, em profissões formais e informais. Estamos presentes nas empresas públicas e privadas, na cidade e no campo, no asfalto e nas favelas, nos bairros abastados e nas periferias, assim como na propaganda, nas artes, nos filmes e nas novelas. Representamos cerca de 10% dos mais de 207 milhões de brasileiros e brasileiras. Temos orgulho de sermos Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transsexuais, Travestis, Transgêneros e Intersexos (LGBTI+)”,  afirma a APOGLBT em justificativa divulgada à imprensa.
“Sim, nós podemos. Pois temos o poder nas nossas mãos; o nosso voto. Neste ano, ele será nossa voz, nossa arma e nosso trunfo. Precisamos nos empoderar das urnas e dos nossos direitos conquistados para elegermos presidente, governadores, deputados estaduais, deputados federais e senadores que nos enxerguem como cidadãs e cidadãos e nos representem, sejam eles e elas LGBTI+ ou não. Pois estamos vivendo um momento em que é imprescindível nos colocarmos contra um discurso cheio de preconceitos e ódio, utilizado por políticos mal intencionados”, continuou.