Parada LGBT de Copacabana
Parada LGBT de Copacabana (Foto: Divulgação)

Cerca de 800 mil pessoas lotaram a orla do Rio de Janeiro, neste domingo (19), para declarar resistência na 22ª Parada do Orgulho LGBTI de Copacabana, que contou com a participação de vários artistas que apoiam a causa.

Daniela Mercury, Pabllo Vittar, Preta Gil, Valesca Popozuda, Lexa e IZA foram algumas das cantoras que se revezaram entre os trios elétricos da festa, que ganhou contornos políticos por ocorrer sem o aporte do governo municipal este ano, por isso o prefeito Marcelo Crivella foi um dos maiores alvos dos protestos do público. O presidente Michael Temer e o governador do Estado Luiz Fernando Pezão também receberam manifestações.

Leia Mais:


Daniela Mercury revela que compartilha senhas com esposa: “Vivemos a verdade dentro da relação”

Após reação conservadora, Televisa exibe beijo gay pela primeira vez em novela

“O movimento LGBT vem sofrendo uma pressão com um governo fundamentalista na cidade do Rio de Janeiro, que atua para enfraquecer o que foi conquistado de direitos até agora”, afirmaram os representantes do grupo Arco-Íris, organizador do evento.

Em contrapartida, a Prefeitura do Rio emitiu nota que contesta a fala dos organizadores. De acordo com o texto, o município conseguiu acelerar a liberação via Lei Rouanet de mais de R$ 1,7 milhão e o valor foi investido nas passeatas de Copacabana e Madureira. Além de cobrir o apoio com segurança ao bloquear a avenida Atlântica e disponibilizar a Guarda Municipal, a CET-Rio, Comlurb e secretarias de Saúde e de Assistência Social e Direitos Humanos.

Com informações do G1.