Parada LGBT de São Paulo pode unir forças com escolas de Carnaval em sua próxima edição

Parada Gay em Uauá (Foto ilustrativa do que pode vir a se tornar a Parada LGBT de SP)
Parada Gay em Uauá (Foto ilustrativa do que pode vir a se tornar a Parada LGBT de SP)

Entre as negociações, aparecem o convite à bateria da Unidos de Vila Maria e carros de som de blocos de Carnaval

Sabe aquele questionamento recorrente de que a Parada LGBT de São Paulo esta virando um grande carnaval e perdeu o seu real sentido?

Ao que tudo indica o que era até então um ato político afim de dar voz e lutar pelos direitos da comunidade LGBT esta caminhando para este destino.


Segundo a coluna de João Batista Jr da Veja, o estilista e produtor cultural Heitor Werneck assumiu a direção artística da Parada Gay com a missão de conter a perda de público e a predominância de carros de sindicatos.

“A parada virou uma passeata chata”, reconhece. “Vou mudar tudo isso.”, pontuou Heitor.

Existem conversas com a Unidos de Vila Maria para que leve a bateria e a ala das baianas ao evento, marcado para 18 de junho.

“Também teremos motoqueiras de Harley-Davidson.” Outra negociação envolve a liberação de carros de som de blocos de Carnaval.

E você, o que acha da ideia desta parceria? Deixe sua opinião nos comentários!


DEIXE UMA RESPOSTA