Zâmbia perdoa gays
Zâmbia perdoa gays - foto reprodução Gay Star News

O presidente da Zâmbia perdoou dois gays que foram presos em 2019 por fazer sexo. Para marcar o Dia da Liberdade da África, que caiu na segunda-feira (25 de maio), o presidente Edgar Lungu perdoou Japhet Chataba, 39, e Steven Samba, 31, junto com outros 3000 presos, segundo o jornal do governo.

Chataba e Samba foram condenados a 15 anos de prisão no ano passado sob uma lei que proíbe os casais de fazer sexo “contra a ordem da natureza”, uma decisão que resultou em indignação do embaixador dos Estados Unidos na Zâmbia.

Daniel Foote disse que ficou “pessoalmente horrorizado” com a sentença e pediu ao governo que reconsidere as leis que punem grupos minoritários. Depois de causar uma disputa diplomática, Foote foi chamado de volta a Washington em dezembro.


Segundo o Gay Star News, “um porta-voz do Departamento de Estado disse que o trabalho do embaixador Daniel Foote ‘não é mais sustentável’ porque o presidente da Zâmbia, Edgar Lungu, disse que não quer mais trabalhar com Foote”, relatou a Voice of America na época.

Daniel Foote

Respondendo aos comentários de Foote, Lungu saiu em defesa das leis anti-homossexuais da Zâmbia, explicando: “Estamos dizendo não à homossexualidade. Você está dizendo que agora somos muito primitivos porque estamos desaprovando a homossexualidade?”, disse Lungu.

“Mesmo os animais não fazem isso, então por que devemos ser forçados a fazer isso? Queremos ser vistos como inteligentes, civilizados, avançados e assim por diante. Se é assim que você trará sua ajuda, receio que o Ocidente possa nos deixar em paz em nossa pobreza.”.

Deve-se notar que o comportamento entre pessoas do mesmo sexo pode ser encontrado em mais de 1.500 espécies de animais, incluindo animais como leões ou pinguins. O ministro das Relações Exteriores Joseph Malanji também disse que os comentários de Foote são “equivalentes a questionar a constituição da Zâmbia”.

Foote, que serviu como embaixador dos EUA desde dezembro de 2017, depois disse: “estou chocado com o veneno e o ódio dirigido a mim e ao meu país, principalmente em nome dos valores cristão, por uma pequena minoria de zambianos”.

“Expressei minha opinião sobre uma lei e uma sentença severa com a qual não concordo. Não interferi nos assuntos internos”, continua Foote.

A atividade sexual entre pessoas do mesmo sexo é ilegal para homens e mulheres na Zâmbia, e as atitudes sociais em relação às pessoas são totalmente negativas com leis anti-homossexuais da época colonial, com a opinião pública colorida por percepções de que a homossexualidade é imoral e uma forma de insanidade.