A população carcerária trans ganha alguns direitos a mais no Distrito Federal.
(Foto: Divulgação)

Um webinário – seminário feito pela internet- que será realizado na quinta-feira (27), às 15h, apresentará alguns dados pertinentes à comunidade LGBT. A proposta foi idealizada pelo Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+). Desse modo, a pesquisa explicitará dados do Projeto Fortalecer, cujo intento é diminuir a discriminação e o preconceito aclarando questões.

Hoje, segundo levantamento, Pernambuco tem a maior superpopulação carcerária do Brasil, totalizando 33.637 pessoas, para 11.756 vagas. O webinário será apresentado por meio da plataforma virtual da ABONG (Associação Brasileira das Organizações Não Governamentais).

“A maioria dos LGTIS e soropositivos encarcerados têm baixa escolaridade é negra e de baixa renda, vivenciam os diversos preconceitos nos seus cotidianos, que favorece a vulnerabilidade social, fazendo crer que não são sujeitos de direitos. Além disso, o Fortalecer mostra a urgência de atividades contínuas, no intuito de subsidiar os entes públicos nas questões que garantam a cidadania”, destaca Lucas Enok, coordenador do projeto.


Lucas ressalta ainda que há uma notória violação dos direitos humanos, e a falta de políticas efetivas dentro do estabelecimento corrobora discriminação. Além do mais, as pessoas em clausura, muitas vezes, desconhecem os seus direitos.