Visibilidade Lésbica: Mídias alternativas ao dia do Orgulho Lésbico

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Para estabelecer uma espécie de contracultura, mídias alternativas forma inseridas dentro da imprensa. Desse modo, O Lampião da Esquina, foi um jornal transgressor homossexual brasileiro que circulou durante os anos de 1978 e 1981. Nessa direção, foi exatamente esse contexto alternativo e inovador que acabou desencadeando o Orgulho Lésbico.  

Nesse sentido, publicações com o intento de impelir o Movimento Lésbico também ganharam espaço. O boletim Chanacomchana foi uma publicação dos coletivos que formaram os grupos Lésbico-Feminista – LF (1979-1981) e Ação Lésbica-Feminista – GALF (1981-1989). A única edição tablóide do título foi publicada no início de 1981, pelo primeiro coletivo (LF).

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Na verdade, o jornal era vendido e distribuído no Ferro’s bar, comumente frequentado por lésbicas. Todavia, as publicações não foram aprovadas pelo dono do bar, o que resultou na expulsão das mulheres em 1983. Essa repressão originou o Stonewall brasileiro. Além do mais, como resposta a esse episódio, as mulheres do GALF decidiram que se “apropriariam” de seu lugar de convívio fazendo um happening na noite de 19 de agosto.

Orgulho Lésbico

Este levante acabou desencadeando o dia do Orgulho Lésbico. Sendo assim, no dia 19 de agosto, comemora-se o dia do Orgulho Lésbico em São Paulo. Nesse sentido, em entrevista, Miriam Martinho, uma das pioneiras do movimento homossexual, contou sobre aquela noite no Ferro’s Bar:

“Lembro que tive muito medo da polícia aparecer e nos levar presas. Tive medo da imprensa também. Não era muito confortável aparecer nas páginas dos jornais na época. Mas organizamos tudo de forma a minimizar os riscos: chamamos os grupos gays da época e algumas feministas para dar apoio. A vereadora Irede Cardoso foi uma das parlamentares pioneiras no apoio aos direitos homossexuais no Brasil, pedimos cobertura da OAB, chamamos a imprensa.”

“Chegamos no dia 19 de agosto e tentamos entrar no Ferro’s. O porteiro fechou a porta para que a gente não entrasse. Passamos a conversar com as mulheres que estavam do lado de fora do bar, juntamos gente, mais os grupos que estavam dando apoio, tentamos de novo. O porteiro enfiou a mão na cara de uma das integrantes do GALF, pela porta entreaberta. Um homem aproveitou e jogou fora o boné do porteiro, ele se distraiu e entramos todos”, disse.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio