Médico revela homofobia em atendimento: “Não quero minha filha com ele”

Por meio do Instagram, Barcellos postou o ocorrido

Publicado em 27/7/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O médico Toscanini Barcellos de Oliveira, de 26 anos, revelou um episódio vexatório em que foi submetido durante um atendimento em Viradouro, cidade localizada no interior de São Paulo. Segundo o profissional, a mãe da paciente em questão se revoltou quando percebeu que a sua filha seria atendida por ele. Por meio do Instagram, Barcellos postou o ocorrido e deixou claro que acredita em homofobia.

Tenho total consciência dos meus privilégios dentro da sociedade, algo que de forma alguma me isenta de sofrer o preconceito diariamente. Estive de plantão numa cidade chamada Viradouro no dia 24/07/2021, com uma colega também médica. Chegou pra gente uma paciente quase desacordada, que necessitava de cuidados imediatos. Prontamente, nos colocamos à disposição daquela vida que estava ali sob risco de vida. E nos dedicamos e fizemos o melhor que poderia ser feito naquele ambiente e com os recursos disponíveis. Graças a Deus e ao trabalho da equipe impecável que se encontrava conosco tivemos sucesso em trazer melhora e conforto para a paciente nesse momento tão sensível, começou.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em um determinado momento, ao qual estava como único médico da cena, me deparo com uma mãe raivosa proferindo os seguintes dizeres: ” – eu não quero que minha filha seja atendida por esse médico”; ” – eu não quero que ele toque nela, que ele se afaste imediatamente”; ” – eu quero a Dra atendendo minha filha e não ele”. Eu absorto na situação, me coloquei a questionar o que eu teria feito de errado naquela situação. Será que eu cometi algum equívoco? Não prestei a atenção e o cuidado que ela precisava? Será que meu cuidado não era suficiente?, continuou.

Entra uma irmã da paciente e tenta justificar o que havia acontecido como se naturalizar ou associar um PRECONCEITO ao calor do momento foi alguma justificativa plausível., diz. Não podemos JAMAIS naturalizar o PRECONCEITO E A HOMOFOBIA. Quantas pessoas sofrem fisicamente e psicologicamente todos os dias as consequências de uma sociedade que apesar das modernidades, continua perpetuando e aceitando comportamentos como este?, enfatiza.

Ao Observatório G, Toscanini ressaltou que sentiu-se impossibilitado de registrar a ocorrência de imediato.

Foi um momento muito sensível pra mim. Acredito que ainda estou tentando processar tudo o que aconteceu. E para mim, apesar de saber o peso social que este gesto pode carregar, infelizmente não acredito que eu tenha saúde mental neste momento para outro desgaste. Temos que respeitar nossos limites, e é o que eu tenho tentado fazer. 

Conversei com todos os funcionários do plantão. Recebi apoio e acolhimento por parte da equipe técnica do Pronto Socorro, inclusive o caso foi reportado às autoridades locais (Prefeitura, Secretaria de Saúde). Neste momento, é importante se sentir acolhido. E tenho muito a agradecer a toda equipe que esteve comigo no momento do ocorrido e após, revelou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

G Store

MOLETOM PRIDE BRASIL

Comprar

CADARÇOS PRIDE

Comprar

PRIDE UNDERWEAR - COLORS

Comprar

MACACÃO PRIDE SUMMER FLAMINGO

Comprar

SHORT PRIDE

Comprar