Os dois rapazes suspeitos de agredirem um jovem em Goiânia por ele ser gay, foram soltos na madrugada desta segunda-feira (24). A justificativa da polícia é que o prazo da prisão temporária se encerrou.

Conforme informações do site G1, o delegado que acompanha o caso, Carlos Caetano, informou que não há necessidade de solicitar prorrogação da prisão. Além disso, o inquérito deve ser concluído ainda esta semana.

Ainda segundo o delegado, Caio César Rodrigues Sampaio e Lucas Vilela Martins, ambos de 20 anos, e o terceiro suspeito, provavelmente devem ser indiciados por crime de LGBTfobia, por agredirem Antônio de Oliveira Filho, de 24 anos.


A lei de anti LGBTfobia foi aprovada pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), no dia 13 de junho. Agora o crime será equiparado ao de racismo. Caso alguém pratique, a pena prevista pode chegar até três anos de prisão.

Em depoimento para a polícia, a vítima afirmou que o caso aconteceu quando ele estava indo ao comércio de sua família por volta de umas 7h, e foi surpreendido por três homens que iniciaram diversos insultos. O jovem tentou fugir, mas foi alcançado por dois deles, que chegou a acertar um murro em seu rosto.

O advogado dos suspeitos, Eduardo Brown, afirma que os clientes não praticaram nenhum tipo de agressão motivada pela sexualidade do jovem e eles são inocentes. A defesa ainda afirma que os suspeitos desconheciam a orientação da vítima.