“Único jeito de sobreviver era vendendo corpo”, diz amigos sobre morte de travesti

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Que travestis são figuras marginalizadas na sociedade já não é segredo para ninguém, mas isto é corroborado quando são encontradas mortas em situações inabitáveis para qualquer ser humano subsistir.

Dito isso, amigos da travesti Jessyca Ananias, de 23 anos, assassinada a tiros na noite de terça-feira (2) em Araguaína, lamentaram a morte dela nas redes sociais. Desse modo, enfatizaram que sua única saída na vida era ‘vendendo o corpo’.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Polícia Civil informou que três pessoas foram ouvidas na Central de Atendimento, após o cometimento do crime. Entre elas, pessoas que estavam no local. O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios do município. Até o momento ninguém foi preso.

O homicídio foi registrado por volta das 22h17, no setor Entroncamento. A Polícia Militar informou que Jessyca estava no seu ponto de trabalho na companhia de outras travestis, quando o suspeito chegou em uma motocicleta. Segundo informações, ele já era um cliente assíduo.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio