Travestis são condenadas por esquema de exploração sexual, no Distrito Federal

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Com base em denúncia do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), a Justiça condenou dez integrantes de uma organização criminosa local. Tendo nove travestis como integrantes, o esquema trabalhava com exploração sexual em Taguatinga (DF).

De acordo com o Metrópoles, o grupo foi condenado por lucrar em cima da prostituição alheia, o crime chamado de rufianismo. Além disso, a organização extorquia e ameaçava as prostitutas. Júlia e Letícia são as identificadas como líderes do grupo. Elas receberam, respectivamente: 13 anos e dois meses, e 12 anos e dois meses de cumprimento de pena.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A apuração do caso descreve que Júlia e Letícia recrutavam travestis em vários lugares da Federação para levarem às suas repúblicas. Lá, cobravam por estadia e alimentação e davam o ponto na rua. Se não ficasse hospedada, no entanto, a travesti devia pagar pelo ponto para trabalhar na rua.

Leia mais:

Mulheres são presas por assediarem mulher trans em banheiro de bar nos EUA

Drag queen Manila Luzon revela briga com RuPaul por vestido sobre menstruação

Caso a vítima não aceitasse ser hospedada e ainda tentasse utilizar algum ponto, a violência era certa. Ela seria ameaçada, agredida e expulsa. Algumas vezes, tudo era feito mediante uso de facas e armas de fogo, além de intimidação física.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio