Sexo lésbico: Saiba métodos de proteção para prática segura

César Patez aponta que a falta de informação coloca, até hoje, as mulheres lésbicas em situação de vulnerabilidade nos consultórios médicos

Publicado em 30/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Desbravar o tema sexualidade de forma geral é encarar diversos tabus penetrados na sociedade. Mesmo o debate sobre o assunto ter amplificado, podemos dizer com exatidão que ainda temos um logo caminho a ser trilhado nesse quesito. Ou seja, a temática se propaga, porém com muita desinformação e preconceitos. 

O doutor César Patez aponta que a falta de informação coloca, até hoje, as mulheres lésbicas em situação de vulnerabilidade nos consultórios médicos. É verdade que não há risco de gravidez, mas esse tipo de relação sexual, que envolve sexo oral, penetração e a famosa “tesourinha”, pode resultar em Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST), assim como qualquer transa heterossexual cisgênera.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Muitas não fazem exames de rotina e preventivos porque acreditam que estão totalmente à salvo de qualquer infecção, mas não é bem assim”, aponta o ginecologista e obstetra César Patez. 

Mulheres que se relacionam exclusivamente com mulheres também podem contrair herpes, sífilis, HIV, HPV e outras doenças comuns, como candidíase, além de desenvolverem câncer de colo de útero. Não é exclusividade do sexo com pênis”, afirma. “A prática sexual de pessoas com vulva é suscetível à transmissão de IST por meio de sangue, troca de secreções, sexo oral, contato entre genitais e compartilhamentos de brinquedos.”

“Durante a consulta, o médico costuma falar de métodos contraceptivos antes mesmo de saber a orientação sexual da paciente. É um processo de invisibilização, que acaba constrangendo e assustando muitas delas, fazendo com que as visitas ao ginecologista não ocorram com a frequência necessária. Isso se agrava devido ao preconceito que tem sido referendado pelas autoridades públicas do país”, destaca.

Proteção

“O fato de o sexo lésbico ser pouco estudado no meio científico influencia a falta de produtos para mulheres que fazem sexo com mulheres”, explica Patez. “O mais indicado é o uso do Dental Dam, uma folha de látex de 15x15cm que é usada como barreira de proteção entre boca e vulva. Apesar de ser de uso odontológico, é recomendado por autoridades médicas e órgãos de saúde, como o Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos. Também pode ser utilizado um preservativo masculino, cortado para esse tipo de proteção”, lista o especialista.

“Se as pessoas compartilham vibradores, por exemplo, é preciso trocar a camisinha que protege o brinquedo e higienizá-lo bem. Se usar os dedos para masturbar a parceira, precisa manter as unhas limpas e aparadas. Quando grandes, elas podem abrir feridas que viram porta de entrada para vírus”, ressalta o ginecologista. “Não deixe de observar a incidência de feridas e verrugas e ter atenção aos hábitos de higiene local.”

“Trabalhar o autocuidado, conhecer os riscos reais sobre as ISTs, compreender o funcionamento do nosso próprio corpo é essencial, independente da orientação sexual. E continua sendo o melhor caminho para que tenhamos transas mais relaxadas, prazerosas e seguras”, finaliza.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

G Store

PULLOVER LOVE WINS

Moletom com capuz 3D de manga comprida

Comprar

CHINELO PRIDE

Comprar

MOCHILA PRIDE BRASIL

Comprar

TÊNIS RAINBOW STYLE

Comprar

SUNGA SUMMER PRIDE FORMAS BLACK

Comprar