Parece piada, mas em entrevista para Thais Bilenky, na edição de março da Revista Piauí, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) abriu seu álbum de fotos de quando tentou (sem sucesso) a carreira de modelo, quando era jovem, e contou sobre supostos assédios que sofreu.

“Não me chama de homofóbico, mas nessa época sempre tinham uns caras que queriam ou me comer ou dar para mim”, disse o filho de Jair Bolsonaro, presidente declaradamente homofóbico.

Heloísa Wolf Bolsonaro, esposa de Eduardo, no entanto, não gosta nem de ver as fotos que remontam ao passado do marido. “Ai, meu Deus! Eu escondo esse álbum dele! Deus me livre!”, disse quando o deputado pegou o álbum de fotos.


Durante entrevista, Heloísa pergunta se o marido vai vazar a foto, e sempre que ela intervém, antecipando alguma resposta, ele reage: “Muito obrigado, minha senhora”. Na verdade, Eduardo Nantes Bolsonaro, 35 anos, adora a fama. Ele saboreia o prazer de mostrar as fotos do book, apesar dos protestos de Heloísa.

Parece que ele nunca superou a carreira mal fadada de modelo, porque ele se do número de seguidores no Facebook (2,7 milhões), no Twitter (1,8 milhão), no Instagram (2,9 milhões). A repercussão nas redes sociais é, para ele, um termômetro fundamental do seu desempenho público.