Janeiro é considerado o mês da visibilidade trans (Ilustrativa)
Visibilidade trans (Ilustrativa)

Por conta da pandemia do coronavírus, uma ONG voltada para o atendimento de pessoas trans e travestis de Belo Horizonte vai distribuir uma bolsa salário, para diminuir o risco de contágio.

Sendo uma população marginalizada e que, em sua maioria, recorre à prostituição, a ONG Transvest vai oferecer, para cerca de 90 pessoas, uma renda mínima de R$ 100. Idosos irão receber R$ 200.

“Vamos oferecer uma renda mínima a 90 mulheres para que não se exponham a ainda mais um risco durante este período. Serão R$100 para cada uma e, a mulheres idosas, R$200. Precisamos de seu apoio para que isso seja viabilizado”, disse o comunicado da ONG.


Em entrevista ao site Universa, a idealizadora da ONG, Duda Salabert, chamou atenção para a idade que mulheres trans são consideradas idosas, por conta da expectativa de vida, que não passa dos 35.

Para colaborar com o projeto, a ONG abriu uma vaquinha online, onde algumas pessoas poderão colaborar com o projeto e ajudar algumas mulheres trans saírem da vulnerabilidade.

A inscrição para o projeto será realizada de forma online, através do Whatsapp da ONG. Cada atendimento será feito de maneira individual: “Os 90 primeiros que se cadastrarem, a gente vai fazer contato, ver a situação sócio econômica, porque a gente quer ajudar as mais vulneráveis.”

Para doar para Tranvest clique aqui.