Ryan Evans de High School Musical
Ryan Evans de High School Musical - imagem reprodução

Kenny Ortega revelou, nesta terça (30) em entrevista à Variety, que sim, o personagem Ryan Evans, queridinho de High School Musical é gay. “Eu coloquei muito de quem eu sou no meu trabalho”, disse Ortega, 70, como um dos homenageados em sua lista de Poder do Orgulho.

“Eu acho que sim, está lá, e se está claro falando com o público, ou se está meio quieto lá, está lá”, diz o diretor, que é abertamente gay, sobre si mesmo e confirmando que o personagem do ator Lucas Grabeel, Ryan Evans, também era gay – mesmo que não tenha sido discutido nos filmes.

“Decidimos que ele provavelmente sairia do armário na faculdade”, disse o diretor do Hocus Pocus. “Era menos sobre se assumir e apenas mais sobre deixar suas verdadeiras cores aparecerem”.


Ryan Ortega e Lucas Grabeel

Quando o musical foi lançado em 2006, Ortega revelou que não tinha certeza de que um personagem abertamente gay seria possível. “Eu tenho que ser honesto com você. Eu não pensava na época e a Disney é o grupo mais progressivo de pessoas com quem já trabalhei”, disse ele à agência.

As preocupações do veterano diretor estavam enraizadas no fato de que “a Disney talvez ainda não esteja pronta para atravessar essa linha e se mudar para esse território”, uma vez que o estúdio se concentrava em famílias e crianças.

Ele acrescentou: “Então, decidi fazer escolhas que eu achava que aqueles que estavam assistindo pegariam. Eles veriam, sentiriam, saberiam e se identificariam. E foi isso que aconteceu”. Depois de três filmes HSM, com uma base de fãs dedicada, o trabalho do coreógrafo continua a falar por si.

“Tenho que dizer milhares de crianças que disseram: ‘Se não fosse o High School Musical, não sei se alguma vez me sentiria confortável em minha pele. Não sei quando seria capaz de me sentir confortável o suficiente para sair, abraçar quem eu sou ”, concluiu Ortega.

Lembramos que o ator Lucas Grabeel já havia comentado sobre sua personagem e sobre como o público já desconfiava de sua sexualidade, mas negou na época: “Acho que ele não precisava de um rótulo, porque não estava pronto para isso. Ele ainda estava aprendendo sobre si mesmo e sobre onde se encaixava no mundo“.