Respeito ao nome social é tema de sensibilização na saúde de Mesquita

Em 2018, o Supremo Tribunal Federal se pronunciou a favor da histórica demanda da comunidade trans

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A retificação de nome e gênero nos registros civis é um direito das pessoas trans, travestis, transexuais, homens e mulheres trans e pessoas não-binárias no Brasil. Em 2018, o Supremo Tribunal Federal se pronunciou a favor da histórica demanda da comunidade trans. Contudo, a burocracia e os custos envolvidos neste processo ainda oferecem barreiras à efetivação deste direito, especialmente entre pessoas trans economicamente vulneráveis, negras e com vínculos sociais fragilizados.

Nesse sentido, como em 17 de maio comemora-se o Dia Internacional Contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, em Mesquita, uma homenagem à data será realizada nesta terça-feira, dia 18. Na Clínica da Família Jacutinga, uma roda de conversa entre os funcionários está marcada para acontecer às 14h. Isto é, em parceria com a Coordenadoria de Diversidade Sexual, a Clínica da Família Jacutinga promove encontros com funcionários para evitar a evasão da população trans no sistema de saúde.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Fico muito orgulhosa porque é exatamente isso que a gente quer. Mesmo antes da pandemia, em função da necessidade de manter o atendimento, não dava para a gente juntar todos os profissionais de saúde em um encontro. A ideia é mesmo que cada unidade mande seus representantes nessas ações e, depois, repassem as informações a todos os demais colegas. E eu, sempre que puder, farei questão de participar dessas reuniões específicas de uma unidade”, avisa Paulinha Única, que é uma mulher trans e representa a Coordenadoria de Diversidade Sexual no governo municipal.

Não é um favor que se faz quando você respeita o direito de uso do nome social. Ao contrário, isso é um dever. Quando você não trata a população trans de maneira adequada, acaba afastando ela do sistema de saúde. Isso é péssimo para as pessoas trans, que podem ficar com a saúde em risco, e para o município, que pode não conseguir desenvolver um trabalho preventivo adequado nesse público. Todos perdem”, avalia Anacleia Ferreira de Carvalho, gestora da clínica da Família Jacutinga

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio