Professor é demitido após assumir bissexualidade para salvar aluna de suicídio

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um professor de Kentuchy, nos Estados Unidos, afirma que foi demitido da escola em que trabalhava após se assumir bissexual. O motivo pelo qual decidiu sair do armário seria para salvar uma aluna lésbica que ameaçou cometer suicídio.

De acordo com o USA Today, Nicholas Breiner usou o Instagram para fazer a revelação. O educador teria tido a atitude para proteger a menina, antes mesmo de abrir a sexualidade para sua família.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Breiner conta, entretanto, que três dias após o post, foi orientado pelo diretor da instituição que guardasse suas preferências sexuais em sigilo. Algumas semanas depois, ele seria informado que o seu contrato não seria renovado.

LEIA MAIS: Professora se torna a primeira travesti a ser empossada na UFPI

Breiner entrou com uma ação federal contra as escolas do Condado de Montgomery, mas a ação foi rejeitada no mês passado, alegando que os EUA não têm uma lei federal que proíba a discriminação contra os LGBT. Ele está apelando da decisão.

“Recebi uma mensagem frenética de outro aluno que acabara de receber a nota de suicídio dessa jovem. Eu corri para a casa dela com a polícia e, felizmente, chegamos a ela a tempo”, contou.

Professor explicou como decidiu assumir bissexualidade

No texto apontado como o responsável pela sua demissão, o professor explicou como chegou a decisão. “Eu não pude deixar de me perguntar quantos alunos eu tive que estavam em uma situação semelhante àquela estudante; sentindo-se completamente sozinha e se aproximando dessa decisão irreversível.”

LEIA MAIS: Funcionária processa rede de supermercados após ser obrigada a utilizar banheiro masculino

“Se ela soubesse muito antes que eu, uma professora que ela gostasse e tivesse um bom relacionamento, soubesse exatamente o que ela estava sentindo, ela teria chegado a esse ponto?“, questionou.

“É impossível saber, mas, com a possibilidade de salvar uma única vida, não posso mais permanecer eticamente no armário. Eu precisava valorizar a segurança e o bem-estar de meus alunos com minha própria privacidade.”, relatou.

Desde que saiu como bissexual, Breiner disse que interveio para ajudar 17 jovens considerando suicídio – muitos dos quais estavam lutando com sua sexualidade.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio