Homenageado em evento da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) nesta terça-feira (30), o jornalista Glenn Greenwald rebateu os comentários preconceituosos do presidente Jair Bolsonaro (PSL) sobre ele.

“Nessa semana o presidente Bolsonaro não só ameaçou nossa liberdade de imprensa”, afirmou. “Ele insultou e atacou minha família e meus filhos. Isso não é uma coincidência, não foi uma coisa que saiu de um cérebro quebrado e louco. Uma parte considerável do movimento de Bolsonaro é destilar ódio contra pessoas LGBTs”, disse Gleen, que nos últimos dias teve problemas com o visto dos filhos no Consulado dos EUA.

Ainda durante o evento, o jornalista declarou que ele e David Miranda estão felizes em poderem, de alguma forma, servirem de exemplo para jovens LGBTs brasileiros que passam por algum tipo de dificuldade por conta da sexualidade.


“David e eu estamos felizes de usar essa plataforma para mostrar o que os jovens LGBTs sofrem”, disse Gleen, que logo em seguida mandou uma mensagem para os jovens vítimas de LGBTfobia.

“Não acreditem nas mentiras desse movimento feio sobre o que é ser LGBT. Não internalizem isso. Sua vida não vai ser de tristeza e solidão. Olhe para nossa família, isso é a verdade de ser LGBT”, finalizou.

Segundo a organização do evento, o ato a favor da democracia e em defesa do jornalista Glenn Greenwald contou com cerca de três mil pessoas. Além de contar com a presença de dezenas de personalidades políticas e artistas como: Chico Buarque, Wagner Moura, Camila Pitanga, Paulo Betti e Julia Lemmertz.