Polícia usa Grindr
Tela grinder (Foto: Buzzfeed)

Polícia usa Grindr para perseguir e apreender homens que cometiam crime de venda de drogas no Condado de Dawson, Georgia, nos EUA, na ação, nove homens foram presos por uma série de delitos incluindo perseguição de homens gays pelo aplicativo.

Pelo menos um dos homens presos é abertamente gay e é acusado de oferecer drogas por sexo a um policial disfarçado da Grindr. Mas as capturas de tela da conversa não apoiam as alegações incluídas no mandado de prisão do homem.

Segundo o site Project Q Atlanta, o homem, que pediu anonimato por medo de retaliação ao escritório do xerife e aos promotores locais, forneceu capturas de tela da conversa do dia 3 de março entre ele e o policial disfarçado.


Em trecho da conversa entre o sargento Dereck Johnson e o homem identificado como “Charlie 420”, o policial finge: “Eu quero ficar chapado e foder”, escreveu Johnson. “Nada de errado com isso”, respondeu o homem.

Em operação que durou 3 dias, pelo menos 9 homens entre 23 e 50 anos de idade foram presos. As outras prisões incluíram acusações que variavam de delitos – incluindo delitos, obstruções e porte de maconha e prostituição.

Homofobia

Greg Nevins, consultor sênior do escritório regional do sul da Lambda Lega em Atlanta, disse que a acusação é infundada. Nevins revisou as capturas de tela da conversa do Grindr.

Segundo ele, “A única coisa que você deve ter antes de rotular algo de prostituição é uma situação muito clara em que a oferta do item ou dinheiro é uma parte indispensável da transação, logo, o suposto profissional do sexo precisa deixar claro que, sem você pagar ou dar o item, não haverá sexo. Isso não está aqui”.

Por fim, esse tipo de prisão remonta a outros casos de aplicação da lei contra homens gays, de acordo com Nevins, que incluem casos de homofobia de policiais contra cidadãos homossexuais sempre que polícia usa Grindr em ações como essa.