Mais de 39% dos jornalistas sofreram discriminação no trabalho, aponta pesquisa

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Uma pesquisa, realizada através do site do sindicato dos jornalistas, busca levantar uma média de discriminação que profissionais LGBTs sofreram dentro de redações e outros ambientes comuns ao trabalho de comunicação. O estudo foi criado como forma de dar base a Comissão de Jornalistas LGBT, criada em maio deste ano e visa levantar questões para a organização do debate e pautar reivindicações e iniciativas da categoria.

A enquete ainda não foi encerrada, e pode ser respondida aqui, mas até o momento, 39,3% das pessoas que responderam o questionário afirmaram já ter sofrido algum tipo de preconceito por causa da sua orientação sexual ou por apenas ter sido identificado como gay, lésbica, bissexual ou transgênero. Já 17,9% não tem certeza se realmente já sofreu algum episódio discriminatório.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia Mais:

Jovem trans comemora cena da revelação de Ivana em A Força do Querer: “Grito de liberdade”

Fernanda Gentil faz declaração em aniversário da namorada: “preferi estar com você”

Piadas no ambiente de trabalho, tratamento diferenciado, até ofensas abertamente homofóbicas como insultos e xingamentos foram apontadas como demonstrações de preconceito entre os participantes da pesquisa, que ainda declararam sofrer discriminação nas oportunidades de trabalho, desde no momento de receber uma promoção, quanto a exclusão em determinadas editorias, como esporte.

Jornalistas LGBT ainda reivindicaram o direito de licença maternidade e paternidade no caso de adoção homoafetiva de crianças, questões sobre as pautas ligadas a comunidade, além da inserção de pessoas trans no mercado de trabalho.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio