Religioso já realizou dois casamentos de casais homoafetivos — Foto: Arquivo pessoal

Para muitos a religião e a homossexualidade não se correlatam em nenhuma hipótese, mas nem todos pensam assim. O reverendo Sergio Ferreira destaca que a essência do casamento deve ser o respeito mútuo, amor e fé, independentemente de gênero, bem como orientação sexual.

Se os dois se amam e vem pedir a benção de Deus, mais direito tem eles de receber do que eu de dar”, diz o religioso. Ele compõe a diocese da Igreja Anglicana de Santos, no litoral de São Paulo.

No passado, a igreja cristã já permitiu o extermínio dos índios, dos negros [com a escravidão] e agora permite o extermínio dos homossexuais. É preciso ter uma real conversão a Jesus Cristo, porque ele não prega o ódio. Por isso, não acreditamos que ser gay seja um pecado. Essa é a pessoa e temos que aceitá-la. Isso não te faz pior do que ninguém“, diz.


O líder católico ainda embasa a sua argumentação: “Primeiro porque sempre existiram casais homoafetivos e porque acredito ser importante ressaltarmos qualquer manifestação de amor, uma vez que essa é a mensagem principal de Jesus Cristo e estamos vivendo um momento de muito ódio”, ressalta.