O que os LGBTs do Brasil podem aprender com a “burrice” de Caitlyn Jenner nos EUA?

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Durante a campanha presidencial dos Estados Unidos em 2016, a transexual pertencente ao renomado clã Jenner/Kardashian, Caitlyn Jenner, polemizou ao declarar apoio ao candidato da extrema direita, Donald Trump, conhecido por sua ideologia retrógrada e profundo desprezo pelos direitos humanos e minorias sociais, inclusive e principalmente a comunidade LGBT.

Contrariando ativistas do movimento arco-íris e todos os sinais que indicavam um arrependimento futuro que, infelizmente se concretizou, Caitlyn votou e reafirmou sua simpatia com o lobo mau travestido em pele cordeiro.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

És que o lobo colocou as garras para fora e agora ameaça “comer” – nesse caso inviabilizar – a existência dos transgêneros nos EUA, em uma medida que, se sancionada, afetará diretamente a vida de mais de 1 milhão de transexuais na “maior democracia do mundo”.

Sim, Caitlyn Jenner tem culpa nisso, afinal ela, enquanto mulher trans, preferiu andar de braços dados com o inimigo, a conceder um voto crítico em quem, pelo menos, era simpatizante à classe LGBT – no caso, a democrata Hillary Clinton.

Mas, afinal, o que nós, LGBTs brasileiros, podemos aprender com a cagada de Jenner?

Pesquisa do instituto Datafolha divulgada na última quinta-feira, 25, apontou que, entre o público LGBT votante em 2018 no Brasil, Jair Bolsonaro soma 29% das intenções de voto entre essas pessoas – um percentual que parece pouco, mas não é. Sobretudo se levarmos em consideração o ódio do candidato à comunidade arco-íris, por ele já expressado em diversas ocasiões.

Oras, Bolsonaro já afirmou em mais de uma, duas, três, ocasiões que pretende governar o Brasil, caso seja eleito, nos mesmos moldes que Donald Trump, e assim como o magnata republicano, o militar brasileiro já preferiu inúmeros discursos LGBTfóbicos, mas agora, no auge da disputa eleitoral, ele posa de defensor do movimento, embora jamais tenha votado favorável a qualquer pauta à Comunidade em seus 28 anos de vida pública.

Não se deixem enganar, é mais um lobo em pele de cordeiro!

Entre esses 29% de LGBTs que votam em Bolsonaro, praticamente nenhum tem a mesma expressividade pública que Caitlyn. Teve o caso do maquiador Agustin Fernandez que apoiou publicamente o ex-deputado e, ainda, até caçoou da violência sofrida por seus semelhantes e ironizou os discursos de ódio de seu candidato.

Espero, sinceramente, que caso Bolsonaro seja eleito, não tenhamos que no futuro ouvir e ver novas “Caitlyn Jenner” ou mesmo “Agustin Fernandez” lamentando o voto no inimigo. Mas se isso acontecer, não terá sido por falta de aviso – como também não faltou para a socialite.

Ainda dá tempo de pensar e repensar seu voto. Ainda é possível fugir do lobo e conceder um voto crítico a quem, pelo menos, não discursa contra os seus direitos e tem um vasto histórico de homofobia nesses vários anos de vida pública. Por isso, pela sobrevivência dos LGBTs, pela garantia dos direitos dos LGBTs, ele não!

 

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio