O que o número 24 tem a ver com gays? UEFA e a bandeira LGBT e lei anti-LGBT na Hungria

Entenda as últimas polêmicas

Publicado em 24/6/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Neste mês do Orgulho*, várias pautas concernentes à diversidades vieram à luz, o que suscitou as buscas sobre estes assuntos, estando eles atrelados à população LGBT ou não. *No mês do Orgulho LGBT, data efeméride quando, em 28 de junho de 1969, um grupo de policiais de Nova York fez uma rotineira e violenta batida no Stonewall Inn, bar onde a hostilização e abusos policiais eram frequentes. E a comunidade, que sempre se calava diante do tratamento indigno oriundo de grupos majoritários, resolveu reagir. Data continua trazendo muitas atividades voltadas à diversidade à tona e muita polêmica tbm. O Observatório G vai te explicar todas!

A Uefa vetou a iluminação com as cores do movimento LGBT em estádio, conforme foi amplamente divulgado. A decisão de cercear o símbolo do arco-íris ocorre depois da pressão do governo de extrema-direita da Hungria. Recentemente, por meio de um conjunto de emendas à Constituição, o Parlamento Húngaro, já conhecido por sua postura ultraconservadora, decidiu que o gênero de uma criança é decidido no momento do nascimento e o pai deve ser necessariamente um homem e a mãe uma mulher. Além do mais, destacou que a adoção só será permitida para casais que, legalmente, contraíram o matrimônio, dificultando a vida de LGBTs.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Além disso, nos últimos dias, a Hungria proibiu conteúdo LGBT para menores, por 157 votos favoráveis e apenas um contra entre os votantes,

Protestos

Assim, após a proibição da União das Federações Europeias de Futebol (UEFA) em iluminar as cores do arco-íris na Allianz Arena, em decorrência do Mês de Orgulho LGBT+, uma série de protestos de torcedores vieram à luz. Esportistas usaram como ensejo o jogo entre a Alemanha e Hungria, válido pela Eurocopa 2020. Durante o hino húngaro, um rapaz invadiu o campo empunhando a bandeira da diversidade.

Uefa se defendeu das críticas nesta quarta-feira, 23, após ter rejeitado o pedido para explicitar a bandeira. “É verdade, um campo de futebol não tem nada a ver com a política. Trata-se de pessoas, de igualdade, de tolerância. E por isto a Uefa enviou uma mensagem equivocada”, escreveu o político, que estimulou a exibição das cores “no estádio e fora dele” nesta quarta-feira. 

24

Segundo o UOL, a Seleção brasileira é a única que não usou o número 24 na camisa do jogador na Copa América, que, por uma questão de ordem sucessiva dos números, teoricamente deveria estar. A Amarelinha pula da 23 do goleiro Ederson para a 25 do volante Douglas Luiz.

Quem usa a camisa 24 na Copa América

Argentina – Papu Gómez

Bolívia – Jaume Cuéllar

Chile – Luciano Arriagada

Colômbia – Jeison Lucumí

Equador – Luis Fernando León

Paraguai – Hector Martínez

Peru – Raziel Garcia

Uruguai – Fernando Gorriarán

Venezuela – Bernaldo Manzano

O número 24 carrega um estigma até histórico, e nós já reportamos o porquê. O 24 é representado pelo veado no Jogo do Bicho, o que fez com que, por muito tempo, fosse atrelado a gays de forma pejorativa.

Outra explicação versa sobre a sonoridade do número – (vim de quatro) 24.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

G Store

PULLOVER LOVE WINS

Moletom com capuz 3D de manga comprida

Comprar

CHINELO PRIDE

Comprar

MOCHILA PRIDE BRASIL

Comprar

TÊNIS RAINBOW STYLE

Comprar

SUNGA SUMMER PRIDE FORMAS BLACK

Comprar