Nova Zelândia quer proibir a “cura gay”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Associação Psiquiátrica Internacional ((World Psychiatric Association), o CFP (Conselho Federal de Psicologia) e a WHO (Organização Mundial de Saúde) baniu, expressamente, a cura gay por entender que a homossexualidade não é um desvio. Por meio desta premissa, a primeira-ministra da Nova Zelândia, Jacinda Ardern, prometeu nesta segunda-feira (5), proibir a terapia de conversão sexual no país.

“A terapia de conversão foi associada a graves problemas de saúde mental adversos, incluindo depressão, ansiedade e ideação suicida – é por isso que será proibida por um governo trabalhista reeleito”, disse Tāmati Coffey, líder do Partido Trabalhista do país europeu.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Ele ainda completou – “É uma prática prejudicial e deslocada no país gentil, inclusivo e moderno que somos”. Vale frisar que mesmo a OMS ter retirado a homossexualidade do catálogo de doenças alguns países ainda permitem a prática.

Aqui no Brasil, O Supremo Tribunal Federal (STF) votou por manter a suspensão da decisão que autorizava psicólogos a aplicarem terapias de conversão, a famosa “cura gay”, em pessoas LGBTQ+.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio