Bandeira trans
Bandeira trans (Foto: Reprodução/Internet)

Em entrevista ao G1, a mulher trans atacada a facadas em Içara, no Sul catarinense, diz que pretende pleitear uma medida protetiva e revelou ainda que está com muito receio dos agressores, visto que, segundo ela, um deles sabe o seu endereço entre outras informações.

Ela contou à equipe da NSC TV que levou 30 facadas. A Polícia Civil investiga pormenores do caso. Na ocasião, na manhã de sábado (17), Rebeka Curtts, de 28 anos, estava dirigindo quando foi surpreendida por diversas agressões. A mulher conseguiu pedir ajuda após saltar do carro em movimento.

Eu estou com medo. Uma amiga disse que ele era muito perigoso. Os dois estão foragidos, e um deles me conhece bem”, contou a vítima ao portal.


Eles não estragaram a minha vida porque eu tenho Deus e não era a minha hora. […] Ali no carro eu achei que seria morta dessa vez. Era muita facada. O que me deu forças foi Deus. Eu pedi pra Deus pra me dar força, e pensei na minha mãe, que sofre de depressão”, relembra.