Mulher trans consegue concluir processo de transição em apenas dois meses

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Taiane Myake, coordenadora da Comissão Municipal de Diversidade Sexual de Santos, litoral de São Paulo e mulher transsexual, conseguiu um feito raro: alterou seu nome, sobrenome e sexo nas documentações em apenas dois meses após o início do processo judicial.

A ação foi movida pela advogada Rosângela Novaes e aprovada pelo juiz Frederico Messias. Entre as provas levadas por Taiane esteve os artigos que mostraram sua presença como figura pública na cidade. O que, segunda ela, a ajudou bastante. “Coloquei artigos do Diário Oficial como coordenadora para consolidar que eu realmente existo e que sou essa pessoa dentro da sociedade santista”, afirmou, em entrevista ao jornalista Neto Lucon.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia Mais:

Mulheres trans e lésbicas se casam oficialmente na Argentina

Nova série do Canal Brasil, Toda Forma de Amor, terá protagonistas trans

Myake também precisou levar um laudo psicológico, que colaborou para a maior agilidade no processo. Agora, com a Certidão de Nascimento alterada, ela pode retificar outros documentos, incluindo o RG. Taiana conta que isso muda tudo: “Não terei mais que pedir, por favor, pelo amor de Deus, me chame pelo nome por ser conhecida”.

A mudança evita constrangimentos e facilita diversos procedimentos legais que venham a ser feitos em seu nome. Outro feito inédito, além da velocidade da mudança, foi a inclusão do sobrenome artístico, Myake, na resolução. “A advogada Rosângela disse que era para tentar e incluir. E o juiz reconheceu como prenome composto, seguido do sobrenome familiar. Acredito que tenha sido a primeira em Santos a garantir também o sobrenome artístico”, contou a coordenadora.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio