Militares trans acionam Donald Trump na justiça, após proibição

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois do anúncio do presidente dos Estados Unidos Donald Trump, que prometeu proibir pessoas trans de servirem nas Forças Armadas, cinco mulheres, militares e transexuais se uniram para acionar tanto o republicano quanto o Pentágono na justiça.

As ações foram interpostas em frente a um tribunal federal na última quarta-feira (09). As mulheres questionaram a decisão do presidente, afirmando que isso colocava em cheque incertezas sobre seus futuros tanto no trabalho quanto na vida pós-militar, incluindo a aposentadoria.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia Mais:

Motorista gato do Uber faz sucesso com clientes e nas redes sociais

Globo censura cenas de casal lésbico na reprise de Senhora do Destino

Esses direitos militares foram alguns dos fatores lembrados por elas durante a apresentação da ação. As mulheres trabalham nas áreas de aeronáutica, de guarda-costas e do exército em si. A ação foi interposta pelo Centro Nacional para os Direitos das Lésbicas (NCLR, na sigla em inglês) e pela Aliança Gay e Lésbica contra a Difamação (GLAAD). As demandantes não se identificaram.

O diretor jurídico do NCLR, Shannon Minter, afirmou que restabelecer a proibição, revogada pelo governo de Obama anteriormente, seria inconstitucional, e que “os militares transgênero foram tomados de surpresa com este anúncio e têm dificuldades para entender o que significa para seu futuro e para suas famílias”. Um porta-voz do Pentágono não comentou o assunto por se tratar de um litígio em curso,

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio