“Me sinto muito grato ao Luc porque ele me ensinou”, declara Marcelo Tas sobre filho trans

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Às vésperas do dia dos pais, Marcelo Tas contou sobre a sua relação com o filho Luc Athayde-Rizzaro e como recebeu a sua transgeneralidade em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo.

Logo no início do texto, o jornalista lembrou que Luc, designado menina ao nascer, já dava indícios de ser do gênero masculino desde a infância. “Ele já tinha uma identificação com o gênero masculino. Ele se fantasiava de soldado e não gostava de vestidos, por exemplo. Foi uma nova surpresa quando ele trouxe isso. Resolvi estudar para entender que não tem nada a ver com sexualidade e, sim, com identidade. Percebi o quanto essa questão é central, a fundamental importância que a identidade tem na maneira que a gente enxerga o mundo e o mundo nos enxerga”, analisou.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Tas revela que o começo da transição de gênero do herdeiro não foi fácil, mas que recebeu orientações dos filhos cisgêneros Clarice e Miguel. “Quando fui apoiá-lo a mudar o nome e contar para a família, a Clarice falou: ‘O Luc é a mesma pessoa. Em vez de falar ela, nós vamos falar ele’. É assim mesmo, simples. E a gente faz um terremoto, deputados entram em discussões, surge o preconceito”, contou.

LEIA MAIS:

Polícia investiga se mulher é mandante da morte de policial LGBT em Paraisópolis

Justiça da Costa Rica ordena a Congresso revogar proibição do casamento homoafetivo

O o ex-âncora do CQC narrou um episódio que foi o divisor de águas para a sua aceitação e respeito. “Resolvi contar pessoalmente para os meus pais, que moram em Ituverava [interior de SP]. Meu pai, depois de ouvir em silêncio, contou que eles estavam com uma cozinheira nova. Ele disse: ‘A Luciana é ótima, mas o pessoal descobriu que ela é travesti e queria que a gente a demitisse. Eu pensei, ela chega no horário, cozinha bem, é educada, pra que eu vou demitir? Parece que Deus mandou a Luciana pra gente receber o Luc.’ Foi outra questão entre pai e filho, e percebi nele esse amor, essa generosidade”.

Sobre a transfobia, Marcelo Tas diz que a violência parte de algo muito particular e não deveria ser tratado de forma tão hostil. “Comecei a receber muitos fortes de filhos que apanham, que vivem situações quase que de prisão. E eu me sinto muito grato ao Luc porque ele me ensinou. Eu era ignorante, e a ignorância acompanha o preconceito. Todo pai tem que apoiar com afeto, procurar se colocar no lugar, ouvir, tentar entender a situação sem ser omisso”, concluiu.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio