Justiça dos EUA condena universidade a pagar indenização milionária à professora por transfobia

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Uma ex-professora da Universidade de Oklahoma, nos EUA, ganhou uma indenização milionária no processo que movia contra a instituição na qual trabalhou, após ser vítima de transfobia.

A justiça condenou a entidade a pagar cerca de US$ 1.165.000 (o equivalente a R$ 3 milhões) para Rachel Tudor, no caso que corria desde 2011, e teve a sua última instância decidida no último dia 20 de novembro.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Leia Mais:

Intérprete de personagem trans, Fanny Ardant dispara sobre críticas à falta de representatividade: “Burrice”

Escócia registra aumento no número de adoções por casais gays

A professora acusou a universidade de ter lhe negado a sua identidade de gênero, desde que ingressou no emprego, sem ter respeitado o seu nome social tanto em documentos e até entre os títulos e no tratamento entre funcionários e direção. Ela também foi impedida de dar aulas vestindo roupas femininas e de usar o banheiro feminino.

A sentença foi deferida através da lei que protege as pessoas contra a discriminação sexual, já que as normas que estendiam a questão de gênero, inclusas pelo procurador geral da ação em 2014, foram derrubadas com a entrada do governo Trump. Apesar dos percalços, Rachel recorreu da ação e conseguiu parecer favorável.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio