Homofobia
Homofobia (FOTO: Ilustração)

O jovem Lorran Oliveira, que vive em Itabuna, na Bahia, foi agredido pela polícia local, após uma discussão com uma vizinha homofóbica. Lorran havia tirado satisfações com a moradora, após constantes deboches por ele e seu marido residir no local.

Em seu desabafo no Facebook, depois de sofrer agressões e ofensas homofóbicas da vizinha, a polícia local foi chamada pelo casal, mas a suposta ajuda acabou acrescentando ainda mais homofobia e violência ao caso.

“A todo momento das agressões também sofri homofobia e a sensação era de impotência, afinal, se a agressão fosse ao contrário tenho certeza que as atitudes das pessoas seriam totalmente ao contrário”, relatou a vítima.


Lorran conta que ambos foram levados para prestar depoimento. “Mesmo tremendo, chorando e com muito medo, o policial que atendeu a ocorrência me fez ser levado no camburão (parte do fundo da viatura). Os vizinhos impediram que eu fosse lá, já que eu fui a vítima!”.

Ao prestar depoimento, Lorran teve um tratamento que o deixou ainda mais chocado. Ele não foi levado para a sala onde se prestam as ocorrências, e nem sequer foi ouvido. O rapaz vítima da homofobia foi algemado, enquanto a autora das agressões e ofensas homofóbicas ficou em uma salinha reservada repetindo os mesmos deboches.

Dei o meu depoimento e fui liberado com um guia para fazer os exames de corpo de delito e pediram-me que eu aguardasse o processo na justiça”, desabafou a vítima. “Sei que isso não dará em nada, mas com a ajuda dos compartilhamentos de vocês talvez eu consiga algum advogado que me defenda e esse ser horrível pague por tudo que ela fez. Desde já agradeço a todos que estão tentando me ajudar de alguma forma e estou sentindo-me abraçado com cada mensagem de carinho”, finalizou o jovem em seu perfil.

Lorran divulga as agressões em seu perfil no Facebook. (Reprodução)