Johnny Hooker
Johnny Hooker - papo de música - foto divulgação

Johnny Hooker, cantor e compositor, acredita que a música foi a responsável por situá-lo no mundo. Quando diz isso, o pernambucano não se refere à localização geográfica (mesmo acreditando que Recife é algo tão intenso que se torna uma impressão digital eterna), mas ao seu entendimento social e político.

Em entrevista ao canal Papo de Música, apresentado pela jornalista Fabiane Pereira, ele percorreu por assuntos que vão das suas inspirações e carreira ao papel do artista como ferramenta contestadora. “Eu vejo as pessoas querendo se encaixar e tendo medo de tocar em certos assuntos. Existem certas coisas que vão contra os princípios você ficar calado. Eu gostaria de ver mais artistas mainstream se posicionando”, ele afirmou.

“O passado está desesperado, porque as coisas estão mudando”, pontua Johnny antes de destacar Pabllo Vittar, Gloria Groove, Liniker, entre outros nomes, como exemplos responsáveis pelas “micro-revoluções” em curso.


“A música, no Brasil, sempre puxou a sociedade pra frente, desde o Tropicalismo, do samba, desde Chiquinha Gonzaga, sabe? As questões da sociedade brasileira foram sendo discutidas através da cultura. Não à toa, eles têm tanto medo da cultura”.

Outros assuntos que nortearam o papo foram as referências musicais do artista – de Marilyn Manson a Madonna – e a escolha de tocar em assuntos ainda considerados tabus. “Eu já fui mais rebelde, mas é uma característica minha que sempre vai estar lá. E quem não gostar, é só não dar o play, não dar streaming”, finaliza.

Sobre o canal Papo de Música

O Papo de Música é um dos raros espaços no YouTube que tem a música como protagonista. Comandado pela jornalista Fabiane Pereira e dirigido pelo videomaker Vitor Souza Lima, o canal traz, semanalmente (toda terça-feira, ao meio-dia), uma entrevista inédita com algum cantor ou cantora.