Vogue 4 #BlackLivesMatter
Vogue 4 #BlackLivesMatter - imagem reprodução Them.us

Desde que as manifestações contra a brutalidade policial começaram a se espalhar pelo mundo há mais de um mês, voguers e membros da comunidade foram às ruas para protestar da melhor maneira que sabem: dançando.

De Chicago a São Francisco e Nova York, os vogueiros saíram às ruas, mergulharam na frente de carros da polícia e criaram disputas improvisadas no meio de protestos, como Sydney Baloue, membro do House of Xtravangaza.

Ao praticar uma forma de arte que se originou nas comunidades LBGTQIA+ de negros e latinos nos anos 70, esses dançarinos nos lembram que as pessoas negras e trans negras devem ser o centro da luta contra a brutalidade policial.


“Voguing sempre foi um protesto”, disse ao Times Jack Mizrahi Gucci, ícone do salão de baile e fundador da House of Gorgeous Gucci. “A dança em si, em toda a sua glória, sempre foi: ‘Olhe para mim, estou aqui. Eu importo e veja o que posso fazer.

Experimentar a brutalidade policial foi o que levou o coreógrafo e diretor Kemar Jewel, de Nova York, a fazer um vídeo de dança que apresentaria o vogue como uma forma de protesto. Em 31 de maio, ele participou de um protesto da Black Lives Matter, quando Jewel estava saindo da marcha, um policial branco disse a ele para “se mover!” e depois empurrou-o no chão.

“Fiquei com raiva, mas não disse nada porque já sabia como essa situação acabaria. Fiquei chateado e chorei o caminho todo para casa”, diz Jewel. “Mais tarde naquela semana, decidi transformar minha raiva em arte.”

“Voguing 4 #BlackLivesMatter” Foto: Kemar Jewel

Ele então começou a trabalhar no “Voguing 4 #BlackLivesMatter”, um impressionante vídeo de dança que mostra “pessoas negras e trans que usam o vogue como forma de protesto e uma fonte de alegria neste clima político”, de acordo com Jewel.

O vídeo, que tem a faixa de 2016 de Byrell the Great, “Bubble Drip”, apresenta dançarinos da cena do salão de Nova York (Daphne Winter Midnyght, Harun “Hayden” Jones, Otis Pena, O’Shae Sibley e Antonio Mugler) que dançam e mergulham literalmente na cara da polícia. Assista: