Bandeira LGBT+ Foto/Reprodução
Bandeira LGBT+ Foto/Reprodução

Neste sábado (15/08), Fafá de Belém, Padre Julio Lancellotti, Zezé Motta e Junno Andrade, dentre outros influenciadores, aderem ao movimento nacional de conscientização sobre preconceitos estruturais. O intento é suscitar uma reflexão sobre preconceitos e lugar na sociedade.

·329 mortes de pessoas LGBT+ em 2019, uma a cada 26 horas (Grupo Gay da Bahia).

·Um ano após criminalização, tribunais não dispõem de dados sobre homofobia (Universa).


· Brasil caiu da 58ª para a 69ª posição no ranking de países mais seguros para os gays em uma lista de 197 nações (revista Spartacus).

· 99% das pessoas LGBT+ se sentem inseguras no País (Antra).

·38% das empresas não contratariam pessoas LGBTI+ e 61% dos funcionários LGBT no Brasil escondem a própria sexualidade (Santo Caos).

· 90% da população Travestis e Transsexuais sobrevive pela prostituição (Associação Nacional de Travestis e Transsexuais).

Outros nomes que estão na causa contra homofobia são André NetoFabio PorchatJunior Chicó,  Marcos VerasMicheli MachadoNando CunhaNany People e Rafael Infante.

A ideia é expor preconceitos estruturais, que residem em cada um de nós, pois todos temos um pouco ou muitos conceitos pré-concebidos na construção do nosso caráter, isso, em função do meio em que fomos criados”, explica o idealizador da iniciativa, Marcos Guimarães, sócio-diretor da Designorama.