Alan Bischof e Craig LaMell
Alan Bischof e Craig LaMell (foto reprodução)

Um homem de 82 anos, casado com uma mulher há 35, foi indiciado por homicídio culposo em Houston (Texas, EUA) após uma sessão sadomasoquista de sexo com o amante gay acabar dando errado e provocar a morte do parceiro de 65 anos.

Craig LaMell morreu um mês após a brincadeira sexual violenta com Alan Bischof, o homem casado, disse em nota o NY Post. O envolvimento de Alan só veio à tona no fim de abril, quase cinco meses depois ele ter se aposentado.

O ex-chefe de Alan achou a confissão por escrito em arquivos em seu computador e os documentos contavam em detalhes como era o relacionamento entre os dois. Alan contou acontecia o sexo Craig e afirmou que o parceiro lhe pedira para agredi-lo, como uma forma de fetiche.


Alan, hoje indicado por homicídio culposo, descreveu Craig como um “bebê indefeso” durante o ataque e chegou a fotografar o parceiro caído no chão, com sangue no rosto, no tronco e nos braços.

Craig foi levado à emergência de um hospital e o episódio foi mantido em segredo por um tempo, até que, sob pressão da família, ele alegou que foi surrado pelo marido de uma mulher com a qual ele teria um envolvimento sexual.

O americano recebeu alta, mas acabou voltando ao hospital com hemorragia cerebral. Após uma semana de internação, Craig morreu em 2 de dezembro e a morte foi classificada como homicídio provocado por trauma na cabeça.

A defesa alega que a agressão foi consensual e conseguiu liberar o idoso a partir de pagamento de fiança de US$ 50 mil (R$ 280 mil). Beverly, esposa de Alan, disse que não tinha conhecimento do relacionamento que o marido mantinha com Craig.