Reynaldo Gianecchini
Reynaldo Gianecchini (FOTO: Reprodução/Instagram)

Discutir sexualidade é adentrar um campo extremamente abrangente, visto que visualizamos o mundo de formas diferentes e essas diferenças inelutáveis refletem na forma como expressamos o nosso eu. Desse modo, cercear a pulsão sexual do outro vai na contramão a qualquer noção de bom senso e alteridade.

Todavia, sexo, mesmo sendo tão comum quanto qualquer outra atividade corriqueira, ainda está elencado naqueles temas “melhor não falar sobre isso agora”. E, quando o assunto vem à tona, geralmente surge assolado de desinformações, rudimentar e tratado como algo boçal e não com a seriedade que lhe cabe.

Recentemente, o ator da TV Globo, Reynaldo Gianecchini, concedeu uma entrevista à EFE e falou abertamente sobre sua sexualidade. Autêntico, o artista ressaltou que não quer categorizações, mas, se for para se rotular, que seja de pansexual, pois ele é tudo. Outra pessoa que não se eximiu do tema e falou na lata foi Preta Gil. A cantora disse que se considera pansexual – “Gosto de gente”, falou a musa. A ex-Disney, Bella Thorne, destacou que não há limites para o amor, logo, ser pan se encaixa melhor na maneira como ela se enxerga.


A palavra, que tem origem grega, significa tudo ou todos. Para nós, lusófonos, é basicamente gostar afetivamente e/ou sexualmente de qualquer pessoa, desde que haja consentimento. Em síntese, o pansexual não se preocupa com a identidade de gênero ou orientação sexual do eleito, o que inclui pessoas não-binárias (que não se encaixam no binarismo feminino e masculino – gênero neutro).

Indo mais a fundo no tema, outro assunto pouco difundido é a demissexualidade. O ex-bbb Victor Hugo já se assumiu assim. Em linhas gerais, o demissexual é um romântico à moda antiga. Essa expressão da sexualidade designa o sujeito que necessita de envolvimento emocional para se entregar ao parceiro, ou seja, até o orgasmo que é o ápice do prazer sexual depende deste vínculo. Mais do que uma atração repentina que acaba após o sexo, o demissexual erotiza o envolvimento mais intenso, magnetismo e a intimidade psíquica.