Notícias Política

Parada LGBT 2018 (Foto: reprodução)

Frente evangélica quer Parada LGBT fora do calendário do DF

A Frente evangélica da Câmara Legislativa do Distrito Federal quer a revogação da lei que inclui a Parada do Orgulho LGBTS (lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e simpatizantes) no calendário de eventos da capital do país.

O projeto de lei, de autoria do deputado Chico Vigilante (PT), foi sancionado na terça-feira (14/04) pelo GDF. Nesta quarta (15/04), os religiosos se manifestaram. A proposta de revogação partiu dos deputados Rodrigo Delmasso (Republicanos), Iolando Almeida (PSC), Martins Machado (Republicanos), Rafael Prudente (MDB) e Valdelino Barcelos (PP).

Em sua justificativa, os proponentes afirmam que “a parada fere os princípios basilares da fé, especialmente os consagrados pelo cristianismo, uma vez que durante esses festivais utilizam os símbolos religiosos de forma escandalosa e indecorosa, afrontando os pilares cristãos”.

De acordo com um representante da Frente Evangélica, quando foi aprovado o projeto, o quórum era muito baixo e, por esse motivo, não passou pela devida discussão. Como o governador Ibaneis Rocha (MDB) não vetou o texto, o grupo decidiu apresentar a proposta de revogação.

Segundo o Moterópoles, o autor do projeto contesta: “Todos eles estavam em plenário e não questionaram a matéria. É estranho que eles façam isso agora. Assim como tem o dia do evangélico, este é um dia de combate à homofobia”, disse Chico Vigilante.

O deputado Rodrigo Delmasso rebateu a questão e disse que a atitude é em prol da “família tradicional”. “A frente não é e nunca foi homofóbica. Só achamos que incluir no calendário do DF um evento que propaga a pornografia e afronta a família tradicional não é o que a maioria das pessoas do DF querem. Se o evento fosse somente de cunho cultural, sem problemas. Mas sabemos que não é”, destacou Delmasso.

Conteúdo patrocinado