Mario Frias na capa da Folha (Reprodução)
Mario Frias na capa da Folha (Reprodução)

O jornal Folha de S.Paulo tem sido alvo de uma polêmica sobre homofobia na web, após anunciar, de uma forma bem particular, o ator Mário Frias como o novo Secretaria Especial da Cultura do governo Bolsonaro.

O caso foi capa da edição Ilustrada da Folha da última sexta-feira (19), e contou com o seguinte título: “O novo homem do presidente”. Internautas acreditam que a chamada, que veio acompanhada de uma foto sexy do ex-galã de Malhação, foi preconceituosa.

Nas redes sociais muitas críticas, inclusive vindo de setores da esquerda, apontam que a mensagem tem conteúdo que sexualiza o corpo masculino e propaga mensagem discriminatória. A foto sensual de Frias faz parte de um ensaio para o extinto site Paparazzo.


“Faz insinuação homofóbica, sexualiza o que não deve. E se fosse uma atriz nua? Sairia esse título? Não é assim que se ilumina o debate”, escreveu a jornalista Vera Magalhães no Twitter.

“Homofóbicas foto e legenda da Ilustrada”, disse Renan Quinalha, professor de Direito na USP. “Vocês não acham moralista a folha postar o Mário Frias pelado e uma sugestão homoerótica no título?”, questionou Rê Côrrea, redatora da TV Globo.