Juliette, Neymar, Anitta? As maiores personalidades apoiam mesmo LGBT?

Várias personalidades são queridas pela comunidade

Publicado em 27/8/2021
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Evidentemente que, acima de tudo, cada um deve se representar, até porque nenhum cantor ou influenciador midiático e cheio de seguidores fanáticos pode correr atrás dos seus direitos e direcionar a tua vida, isso só você pode fazer por meio de estudo, força e autonomia no pensar. A independência no pensamento propicia mais criticidade para analisar os fatos, diferentemente da idolatria. Quando você projeta as suas expectativas em alguém, ídolo, só gera frustração no porvir e, posteriormente, o ódio. É exatamente nesta dinâmica que o fã vira hater.

Hoje o que conta muito é o número de seguidores, pelo menos para a massa é assim. O que é ser relevante? Ter algo edificante a apresentar ou ser conhecido? Na contemporaneidade o importante é ser conhecido. Mas tudo bem, a gente vive em um mundo líquido, as relações se dissolvem velozmente. Tudo é transitório, inclusive a fama, sempre surge alguém novo apresentando um produto de um jeitinho ‘original’ e ganha expressão. Nada novo. Porém, usar o seu espaço para ecoar pautas que fazem a diferença na sociedade tem valor. Quando um debate se amplifica as pessoas param para pensar a respeito. Ainda com resistência, se causou uma inquietação, mesmo que um pequeno incômodo que seja, já fez efeito.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Algumas das personalidades mais seguidas do país são cobradas nesse sentido. Posicionar-se, mas tem que falar exatamente o que as pessoas esperam e, claro, da forma que as pessoas esperam.

Várias personalidades são queridas pela comunidade e fazem algo efetivamente – Paola Carosella, Gabriela Prioli, Luisa Sonza, dentre outras. Nós, no entanto, catalogamos os nomes de alguns famosos, usando o número de seguidores como critério, tendo em vista que as vozes reverberam mais.

Neymar – mais de 50 milhões no Instagram

Ano passado, no mês de junho, vazou um áudio no qual o jogador Neymar e colegas apareciam xingando o ex-padrasto do atleta , Tiago Ramos. Nas ofensas proferidas, comentários como “viadinho” e “dá o cu do caralho” chamaram atenção. Todavia, há alguns meses, para explicitar que é simpático à causa, Neymar entrou em campo com o PSG usando camisas com as cores do arco-íris, principal símbolo do movimento LGBT.

Whindersson Nunes – mais de 50 milhões

Por meio das redes, Nunes lamentou a violência contra pessoas trans, especialmente no caso de Roberta, uma mulher trans de Recife que foi queimada viva.

Anitta – mais de 50 milhões

Ela tem usado o seu espaço para falar bastante de política ultimamente. Sobre a pauta LGBT, a famosa é a própria bandeira, já que disse que se define como bissexual.

Tata Werneck – mais de 40 milhões

Já polemizou com mulheres trans.  Linn da Quebrada já disparou críticas contra o programa Lady Night, afirmando que a apresentadora estaria sustentando um discurso transfóbico dos convidados. Tatá pediu desculpas e disse que tem muito o que aprender. A humorista sempre usou o seu espaço para falar sobre a diversidade de forma positiva.

Bruna Marquezine – mais de 40 milhões

Costuma compartilhar post padrão. Geralmente escrito por alguém em prol da causa, aí ela endossa. Se mostra positiva com a comunidade também.

Larissa Manoela – mais de 30 milhões

Larissa chegou a ser apontada como lésbica após uma foto com sua amiga viralizar. As duas desmentiram e criticaram comentários pejorativos sobre orientação sexual.

Maisa – mais de 30 milhões

Ela já usou as redes sociais para trazer o tema à tona várias vezes.

Ivete Sangalo – mais de 30 milhões

Em 2018, optou por não se posicionar politicamente, pois, segundo ela, a responsabilidade de uma pessoa pública é muito grande e pode gerar consequências nesse sentido. Decepcionou parte de seus fãs, especialmente LGBT.

Juliette – mais de 30 milhões

Chegou agora e costuma gerar bastante repercussão com os seus posts. No transcorrer do confinamento, mostrou ignorância em alguns aspectos, ao falar ‘opção sexual’, confundir drag com mulher trans. Mas por meio das redes, se apresenta positiva com a comunidade.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

G Store

MOLETOM PRIDE BRASIL

Comprar

SUNGA COLORS

Comprar

CAMISETA PRIDE HEART - LONG

Comprar

BONÉ PRIDE HEART

Comprar

MOCHILA PRIDE BRASIL

Comprar