Fábio Felix é o novo presidente da Comissão de Direitos Humanos da CLDF

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

O mais novo presidente da Comissão de Defesa dos Direitos Humanos (CDH) da Câmara Legislativa do DF, Fábio Felix, está cheio de projetos. Os mesmos são para a atuação à frente da antiga CDDHCEDP, que continha também as pautas de ética e decoro parlamentar. Por unanimidade, os deputados decidiram pela retirada dessas temáticas. O que Felix considera uma vitória. “A formulação de políticas públicas de proteção de direitos ficava ofuscada pela pluralidade de temas da comissão”.

Leia:

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Você sabia? Mulheres lésbicas têm mais orgasmos que heterossexuais, diz estudo

Após premiação pela obra, autor gaúcho publica livro sobre contos gays

Fábio Felix admite que o principal desafio vai ser a efetividade das políticas públicas. “Em tempos de criminalização da diversidade, a população precisa que a Comissão apresente soluções concretas para a violação de direitos. Seremos rigorosos quanto a isso”, afirma. É a primeira vez que um deputado assumidamente gay assume os trabalhos à frente da comissão permanente.

Felix destaca a transversalidade do trabalho que vai coordenar. A atuação conjunta com órgãos como a Defensoria Pública, o diálogo com a população e o acolhimento aos segmentos sociais serão fundamentais para o sucesso do projeto. “Quando um direito fundamental é desrespeitado, todos nós perdemos, não só a vítima. Civilidade, respeito e cultura de paz são obrigações de todos nós. E o poder público tem que protagonizar a defesa dos direitos humanos para estimular a sociedade”, reflete.

Fábio Felix fala de experiências

Fábio Felix explica que existem, no Brasil, muitas experiências bem sucedidas de Comissão de Direitos Humanos. “A atuação do deputado Marcelo Freixo e da vereadora Marielle Franco, por exemplo, foi extremamente exitosa. E vai servir de inspiração para os projetos que a gente vai executar”.

Sobre o combate ao ódio e à intolerância, Fábio é categórico: ”a gente não pode responder ao ódio de forma ingênua. O ódio exige uma posição firme e combativa. Seremos resistência e não nos calaremos”. Sobre a importância de coletivizar o mandato, ele explica que é impossível implementar qualquer mudança sozinho. “Eu tenho convicção da importância da atuação coletiva. Eu busco construir essas pontes, porque com isso eu não vou só. Não sou só eu, Fábio, é muita gente! São muitas vozes que representam aquela ideia”. Sobre as perspectivas para o mandato, Fábio demonstra lucidez quanto ao que vem pela frente. “Nós vamos juntos para resistir e para lutar, sabendo que cada batalha não vai ser fácil e que cada conquista vai ser fruto de muita persistência e de muita coragem”, finaliza.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio