Esposa de grávida terá direito à licença-maternidade

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

De acordo com o entendimento do juiz federal Arthur Napoleão Teixeira Filho, titular da 17ª Vara da Justiça Federal em Pernambuco (JF-PE), uma mãe não pode ser cerceada do direito à licença-maternidade, independentemente de ser mãe não gestante.

“Entrementes, a análise da matéria, necessariamente, merece passar sob as luzes das normas constitucionais protetoras da infância e da família”, começou o juiz, que concedeu mandado de segurança, com tutela de urgência.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Nossa Constituição Federal de 1988 impôs como dever da família, da sociedade e do Estado, assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão (artigo 227, caput)”, concluiu ele. Com informações da Assessoria de Comunicação da Justiça Federal de Pernambuco.

A mãe, que está em uma união homoafetiva com sua companheira grávida por meio de uma inseminação artificial, teve seu direito negado, a priori, na esfera administrativa, mas após o entendimento favorável do magistrado foi concedido a ela. O intento é fornecer bem-estar ao bebê, que deve vir à luz em novembro.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio