Além de Maurício Souza, outros esportistas polêmicos com LGBT

O esporte ainda enfrenta desafios para se tornar, de fato, inclusivo

Publicado em 30/10/2021 23:44
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Depois de ser afastado do Minas Tênis Clube por posts com declarações contra o beijo gay do filho do Superman, Maurício Souza usou o Instagram para se desculpar ‘a quem se sentiu ofendido’, mas não declinou de sua opinião. “Ah, é só um desenho, não é nada demais’. Vai nessa que vai ver onde vamos parar”, disse ele, que desencadeou polêmica explosiva. O atleta já tinha histórico de declarações homofóbicas em outras ocasiões.

Quando falamos de esporte, estamos falando de um dos pilares do entretenimento em todo o mundo, mas ainda marcado por bastante preconceito. Em 1975, Dave Kopay se tornou o primeiro atleta da NFL a se declarar gay. Justin Fashanu, em 1990, revelou a sua homossexualidade, mas não foi bem aceito. No dia 3 de maio, ele cometeu suicídio, aos 37 anos, após visitar uma sauna gay em Londres. O esportista deixou um bilhete no qual dizia não querer “ser uma vergonha para sua família”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Reneé Richards, em 1977, passou a ser a primeira atleta trans a disputar um torneio feminino. Mas mesmo a história da homossexualidade no esporte sendo antiga, o preconceito segue robusto.

Leandro Castan é capitão do time do Vasco, se diz cristão, e ressaltou, por meio de uma entrevista, que foi ‘obrigado a vestir uma camisa’ no mês do Orgulho, em junho deste ano.
 No momento no qual expus o que acredito, quando eu fui, teoricamente, obrigado a vestir uma camisa, acho que algumas pessoas não gostaram. Mas eu respeito a todos e também acho que tenho de ser respeitado – disse Leandro.

Em junho de 2019, o técnico Renato Gaúcho concedeu declarações controversas por meio de uma entrevista. “Se tem um gay na música é normal, se tem um gay ator é normal, se tem um gay em qualquer outra profissão é normal. Mas se tem um gay no futebol, vira notícia mundial. Por quê? Não entendo isso.” disse o técnico em entrevista dada para a Folha de São Paulo. “Se eu tenho um jogador gay, vou sacanear ele de manhã, de tarde e de noite. Eu quero é que ele jogue. O que não pode é misturar as coisas: entrar no vestiário de sacanagem por ser gay e levar mais para o lado gay dele do que para o trabalho. Aí ele tá fora comigo”. Ele sugestiona que o cara, só por ser gay, vai dar em cima dos outros homens no vestiário.

Com a repercussão nacional da morte de Paulo Gustavo, muitos famosos foram às redes deixar suas homenagens ao ator. No entanto, a jogadora do Palmeiras, Chu Santos, foi infeliz em suas palavras, mas se desculpou por meio de um vídeo. Em um post no Facebook sobre o falecimento do ator e do cantor gospel Irmão Lázaro, também vítima da doença, a atleta escreveu fazendo o comparativo: ‘Blz, morreram pelo mesmo vírus, a diferença é: que um Lázaro foi para o céu e Paulo Gustavo para o inferno.”

Conforme reportamos, ano passado, no mês de junho, vazou um áudio no qual o jogador Neymar e colegas apareciam xingando o ex-padrasto do atleta , Tiago Ramos. Nas ofensas proferidas, comentários como “viadinho” e “dá o cu do caralho” chamaram atenção.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

G Store

MOLETOM PRIDE BRASIL

Comprar

SUNGA COLORS

Comprar

CAMISETA PRIDE HEART - LONG

Comprar

BONÉ PRIDE HEART

Comprar

MOCHILA PRIDE BRASIL

Comprar