Em Uberaba, ações sociais voltadas ao público LGBT não tem demanda

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Em comemoração ao dia Nacional da Visibilidade Trans, que aconteceu no dia 29 de Janeiro, constatou-se que em Uberaba não há políticas públicas específicas para saúde da população LGBT. O motivo: Falta de demanda, segundo o Coordenador de Políticas Públicas para LGBT Valdir Santana, além da falta de informação da comunidade. A Coordenadoria fica na Fundação Cultural de Uberaba, onde também são realizados as trocas de gênero e nome nos documentos.

“Esse público não procura o atendimento ofertado ao cuidado da saúde, apesar da grande necessidade. Conseguimos leis importantes que garantem o direito à população, mas, para isso, é preciso que ela se manifeste com suas demandas. É possível conseguir um apoio direcionado”,comentou o coordenador.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“As pessoas não buscam os meios para que possam melhorar a questão da saúde, o transporte público ou qualquer reivindicação. É preciso que elas entendam e comecem a levar as suas reivindicações para conseguirem aquilo que é de direito delas. No caso, procurando a Coordenadoria LGBT, é possível identificar as principais necessidades do grupo”, declarou Valdir.

Outra questão muito importante de se levantar é a saúde psicológica desse público. Numa tentativa de aproxima-los a psicologia, o plantão que aconteceu no dia 29 teve como foco atender o público transexual. A psicólogo Alessandra Sallum conta que o apoio a essa parcela é essencial.

“Essa parcela sofre muito com o adoecimento emocional por conta da quantidade de sofrimentos que passam na vida, desafios pesados, angustiantes. O objetivo era aproximá-los da Psicologia e mostrar que é uma ferramenta para ajudá-los. Um lugar de escuta e orientação, e não julgamento[…]Foi interessante ver que elas precisam ser ouvidas e, quando há oportunidade e acolhimento adequado, elas trazem as demandas delas. Além disso, é essencial (o acompanhamento psicológico) durante um trabalho de adequação de gênero. Primeiro a pessoa precisa definir se fará a transição, de qual maneira, como vai lidar com as expectativas internas e do mundo que a cerca e outros fatores”, pontua Alessandra.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio