Em peça sobre perseguição a gays, André Luiz Miranda lamenta homofobia: “Somos o país que mais mata LGBT’s”

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Integrante do elenco da peça “O Jornal”, que aborda a intolerância religiosa, preconceito e a perseguição aos homossexuais em Uganda, o ator André Luiz Miranda comentou em entrevista ao Observatório da Televisão como foi convidado para fazer parte do projeto com direção de Kiko Mascarenhas e Lázaro Ramos.

“Eu participei de uma oficina comandada pelos diretores Kiko Mascarenhas e Lázaro Ramos chamada Afrobrasilidade e o Palco. Foram 5.000 atores inscritos e desse total apenas 75, através de testes, participaram da oficina. Foram semanas de trabalho até que os diretores chegassem ao elenco final”, contou.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

LEIA MAIS:

Cardi B nega autoria de meme transfóbico publicado em rede social

Seguranças acusados de expulsar fãs gays em show de Dua Lipa são presos

Miranda ainda fez um paralelo com a realidade do país africano ao Brasil. “Embora passado em Uganda, essa poderia ser uma história nossa. Infelizmente. Casos de intolerância religiosa, racismo e crimes cometidos contra homossexuais são quase lugar comum no Brasil”, opinou.

“Somos o país que mais mata homossexuais no mundo, mais do que em 13 países do Oriente e da África, onde há pena de morte aos LGBT. A Uganda de O Jornal também é aqui”, analisou.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio