Dia da Visibilidade Trans marca a luta contra estigma social e luta por direitos

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Estamos no mês da Visibilidade Trans! Comemorado dia 29 de janeiro, data criada em 2004 pelo Ministério da Saúde após a divulgação da campanha “Travesti e Respeito”, em reconhecimento à dignidade desta população, o objetivo, também, é incentivar atividades pertinentes e aproveitar o ensejo para lutar por direitos.

“Essa é uma chance da população trans se mostrar mais, exercer sua cidadania, pleitear inclusão e políticas públicas, mas também trazer visibilidade para alguns problemas que enfrentam. Já tivemos muito progresso, mas isso não basta. Ainda somos, pelo 12º ano consecutivo, o país que mais mata transexuais no mundo”, revela Jacqueline Côrtes, professora, ativista da causa e mãe.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Acerca do sistema de saúde escasso, Côrtes pontuou – “Quando isso ocorre com trans e travestis na área da saúde, eles ficam ainda mais vulnerabilizados do que já são porque dificulta o acesso aos serviços. É comum que pessoas trans sofram situações vexatórias, sejam alvo de risadas ou tratadas pelo gênero errado. Como consequência, elas só buscam serviços de emergência e ficam sem os cuidados preventivos. É preciso pensar nas especificidades das pessoas trans, nas suas subjetividades e que sejam criados programas específicos para atender essa população”, complementa Jacqueline.

“Temos dados que mostram que quando uma pessoa se sente estigmatizada ou que há um preconceito contra ela, a chance do tratamento não ser bem-sucedido é quatro vezes maior. E a população trans é negligenciada e sofre muito estigma social. Muitas vezes as pessoas trans não se sentem à vontade para ir a um serviço de saúde e serem diagnosticadas ou pegar um remédio. São várias etapas em que o preconceito sofrido leva a uma menor chance de sucesso terapêutico. Mas existem ainda vários outros aspectos dessa estigmatização que faz mal às pessoas trans”, pondera Gabriel Antunes, médico infectologista e Gerente Médico Sr da Gilead Sciences Brasil.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio