Grindr (Ilustrativa)
Grindr (Ilustrativa)

A comunidade gay de Gana está em estado de alerta, após um grupo de criminosos se apropriar do aplicativo Grindr para localizar e atacar usuários LGBTQ+. As informações são da Reuters.

Na tentativa de impedir que pessoas da comunidade caiam nos golpes, um grupo de ativistas LGBTQ+ intitulado Rights Ghana, lançou uma página no Facebook para expor os criminosos.

“Depois que postamos, muitas pessoas compartilham e outras muitas são avisadas. Se novas possíveis vítimas estão conversando com os golpistas, elas param”, relatou Alex Kofi Donkor, líder do Rights Ghana.


O ativista relatou casos, que, além de agressões, envolvem abusos, roubos e até chantagem, já que a “prática da homossexualidade” ainda é ilegal no país. Alguns casos foram levados para a polícia, no entanto, estão sendo ignorados.

Como forma de proteger seus usuários, o Grindr lançou uma ferramenta que é possível camuflar o famoso ícone da máscara amarela. A atualização tem sido disponibilizada em países em que ser gay é crime.