Cresce em quase 1.000%, o número de portadores da Hepatite A em São Paulo

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Um levantamento constatou o aumento de 960% nos portadores de Hepatite A no último ano em São Paulo. Gays e bissexuais fazem parte do grupo dos quais mais apresentam a doença. Só m 2017 foram registrados 547 casos a mais em comparação ao ano passado, que foram diagnosticados apenas 57.

A pesquisa mostrou ainda que 80% dos infectados foram homens entre 18 e 39 anos, no qual a maioria contraíram o vírus através de sexo desprotegido, um universo de 45%. Dos 604 casos registrados, duas mortes foram confirmadas.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“O que chama atenção, dos casos notificados, é que essa epidemia está sendo mais frequente na população homens que fazem sexo com homens por transmissão sexual”, afirmou o infectologista Umbeliana Barbosa, do Hospital Emilio Ribas, em entrevista à TV Globo.

Leia Mais:

Mesa redonda discute identidade de gênero em São Paulo

Modelos ursos se vestem de “sereios” para calendário em prol da saúde mental

A Hepatite A (HAV) tem sua transmissão apenas por meio fecal-oral. Podendo ser contraído por meio de sangue, saliva e sêmen – através da prática do sexo anal sem o uso de preservativo. Então muitas das vezes é passada pelo famoso cunete ou beijo grego muito comum em relações homossexuais. Sendo que a falta de higiene pode aumentar os níveis da contaminação.

A vacina contra a doença está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) para crianças entre 1 e 2 anos, e também para pessoas portadoras do vírus HIV, mas também é aberta para qualquer pessoa.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio