Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS Rio) acompanha de perto o processo de acolhida da travesti paraense Carmem
Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS Rio) acompanha de perto o processo de acolhida da travesti paraense Carmem (Divulgação)

Conforme reportamos aqui, a travesti Carmem, moradora de rua abandonada pela família e que grita por dignidade, seria acompanhada por pessoas especializadas para receber todo o aparato que precisa.

Nesse sentido, a Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS Rio) acompanha de perto o processo de acolhida da travesti. Carmem ganhou visibilidade após a reportagem do Extra.

Além do mais, na tarde de quarta-feira (13), os funcionários da CEDS Rio Erick Witzel e Carol Caldas estiveram em um encontro com a paraense. Ela foi convidada para o programa social da CEDS Rio Trans+Respeito.


Ainda, o Coordenador Especial da Diversidade Sexual, Nélio Georgini, tem acompanhado de perto o acolhimento da moça para que ela receba todo apoio e serviço necessários.